Fábrica da GM em Joinville

Fábrica da GM em Joinville

Após quase três anos do início das obras, a General Motors inaugurou oficialmente outra fábrica de motores em Joinville (SC), quatro vezes maior que a primeira aberta em fevereiro de 2013 com aporte de R$ 350 milhões. A nova unidade recebeu investimentos de R$ 1,9 bilhão e começou a operar há cerca de um mês, produzindo a moderna linha de motores tricilíndricos 1.0 (aspirado e turbinado) que equipa a nova família Onix produzida em Gravataí (RS) – o sedã foi lançado em setembro e o hatch será em novembro.

Fábrica da GM em Joinville, localizada bem ao lado, a antiga planta de 14 mil metros quadrados foi desativada e a produção dos motores 1.4 e 1.0 de quatro cilindros que eram feitos lá foi integralmente transferida para o complexo industrial da GM em São José dos Campos (SP), que já produzia os mesmos modelos e também a versão 1.8. A velha geração de propulsores, com mais de 30 anos de mercado recebendo algumas atualizações, seguirá equipando a geração anterior do Onix, na linha de entrada Joy, e tende a ser gradualmente encerrada nos próximos anos, conforme a demanda.

A nova fábrica ocupa área de 174 mil metros quadrados e tem capacidade para produzir até 410 mil motores por ano – quase duas vezes e meia mais do que a antiga planta que chegou ao pico de 174 mil/ano. Além dos modelos de 1 litro, até o próximo ano as versões 1.2 três-cilindros aspirada e turbinada também deverão entrar em produção em Joinville.

https://lookedtwonoticia.com.br/wp-content/uploads/2017/03/x_noticia_30088.jpg__1200x630_q85_subsampling-2.jpg

“A fábrica de Joinville, que já era uma das mais modernas e sustentáveis do mundo, agora é uma das operações de motores com o maior nível de automação, o que foi viabilizado com os investimentos recentes”, disse Marcos Munhoz, vice-presidente da GM América do Sul.

Durante a cerimônia de inauguração oficial na terça-feira, 22, o executivo que se aposenta da GM no fim deste ano lembrou que participou das negociações para a instalação da fábrica de motores em Joinville, no início da década. “Começamos com capacidade de 120 mil/ano e chegamos a 140 mil alguns anos depois com investimentos em produtividade. Mas nada se compara ao que fizemos agora, com investimento muito maior que deu origem a uma planta com alto nível de automação e qualidade”, destacou.

FÁBRICA 4.0

Linha de usinagem de blocos na nova fábrica de motores da GM em Joinville: alto nível de automação

Quase todas as operações na nova fábrica da GM são robotizadas e interligadas em rede digital, no conceito de manufatura 4.0, em que os equipamentos se comunicam entre si, geram pedidos de componentes e regulam o fluxo produtivo. São duas linhas de usinagem para blocos, outras duas para cabeçotes – os componentes de alumínio fundido são fornecidos pela Nemak, de Minas Gerais – e uma linha de montagem final.

Todas as linhas de usinagem são automáticas de ponta a ponta, robôs colocam e tiram as peças de cada etapa dentro das máquinas CNC. O abastecimento e retirada de componentes prontos é feita por meio de empilhadeiras autoguiadas, que são chamadas pelos funcionários com um simples toque de um botão para trazer peças ou buscá-las para encaminhamento à montagem final. Todas as partes usadas na produção são rastreadas, de forma que é possível saber em qual parte do processo e em qual motor está cada uma.

Segundo a GM, construir a nova fábrica consumiu 410 mil horas de trabalho para instalar 627 equipamentos, incluindo 90 robôs. Foram recebidos 512 contêineres de 15 países com máquinas e componentes para a planta. A produção seriada encontra-se em fase gradual de aceleração, em apenas um turno e ainda com poucas dezenas de funcionários na operação.

A planta de Joinville também é reconhecida por sua sustentabilidade ambiental. Parte da energia consumida é solar, gerada por painéis fotovoltaicos instalados no teto – que também abastecem duas escolas vizinhas. No interior da fábrica as luminárias de LED são autorreguláveis, aumentando ou baixando a intensidade conforme a necessidade. Todos os resíduos industriais e orgânicos são reciclados e tratados, nada é enviado a aterros. As águas das chuvas são reaproveitadas e tratadas por osmose, sem produtos químicos.

FÁBRICA DA GM EM JOINVILLE ATINGE A MARCA DE UM MILHÃO DE MOTORES PRODUZIDOS

Unidade é uma das mais sustentáveis da GM no mundo, opera com conceitos de indústria 4.0 e produz os motores de Onix, Onix Plus e Tracker.

2020-12-16

https://lookedtwonoticia.com.br/wp-content/uploads/2017/03/1608043154036.jpg

SÃO CAETANO DO SUL – A fábrica de motores, cabeçotes e blocos da General Motors em Joinville (SC) acaba de atingir o marco de um milhão de motores produzidos.

Inaugurada em 2013, a unidade iniciou produzindo os motores e cabeçotes da primeira geração do Onix. Em 2017, recebeu investimentos da ordem de R$ 1,9 bilhão que quadruplicaram sua área e atualizaram toda a sua linha de produção para receber a nova geração de motores três cilindros do novo Onix, Onix Plus e novo Tracker.

Operando com capacidade anual de 417 mil motores por ano, a fábrica é referência global em sustentabilidade.

A unidade foi a primeira a implantar um conjunto de sistemas pioneiros na área de eficiência energética e proteção ao meio ambiente, com destaque para a energia fotovoltaica – gerada a partir da luz do sol –, reciclagem de água industrial por meio de osmose reversa e tratamento inédito de efluentes e esgotos por meio de jardins filtrantes.

Pelo programa “Zero Aterro”, todos os resíduos do processo produtivo são reutilizados, reciclados ou coprocessados. A mesma prática foi adotada durante todas as obras de reformas e expansões da fábrica.

As tecnologias sustentáveis foram ampliadas no processo de expansão da fábrica. Outras iniciativas, como a troca de torres de resfriamento, o melhor direcionamento da água pluvial e a substituição dos carregadores de bateria, fizeram com que a unidade se tornasse ainda mais eficiente, gerando redução do consumo de água equivalente ao gasto de 43 residências no período de um ano e de energia elétrica na ordem de 106 residências por ano.

Muitos processos da linha de motores da fábrica de Joinville da GM possuem nível de automação da indústria 4.0.

Cerca de 20% da frota de empilhadeiras da fábrica são autônomas e as demais são equipadas com uso eficiente de energia limpa.

Além disso, os dispositivos de automação da linha de montagem e usinagem de componentes escaneiam o código de cada peça e selecionam automaticamente o programa correto para fabricar aquele tipo de motor, ajustando os parâmetros de manufatura quando necessário.

Entre os avanços tecnológicos implementados na fábrica está o monitoramento de consumo de utilidades de água, ar comprimido e energia por linha e processo produtivo, tanto no setor de usinagem de componentes, como na linha de montagem de motores.

A unidade de Joinville conta com 90 robôs operando um sistema integrado e inteligente onde todas as peças são monitoradas pelo seu número serial, permitindo registrar dados importantes de manufatura e qualidade.

Motores Ecotec

Na fábrica de Joinville são fabricados os inovadores motores Ecotec flex 1.0 (turbo e aspirado) e 1.2 (turbo), de três cilindros do Onix, Onix Plus e Tracker.

O motor Ecotec 1.0 Flex Turbo da Chevrolet conta com as mais modernas tecnologias disponíveis, como bloco de alumínio, cabeçote com duplo comando variável de válvulas, coletor de escape integrado, bomba de óleo de duplo estágio de pressão variável, além de diversos conceitos inovadores ou até mesmo inéditos na categoria.

O volante do motor possui um sistema de dupla massa suspensa que absorve de forma mais eficiente as vibrações provenientes do motor para a transmissão, além disso, a correia dentada imersa em óleo torna o funcionamento mais silencioso que o sistema de correntes usado pela concorrência e igualmente livre de manutenção até 240 mil quilômetros.

Neste motor, também há a otimização do virabrequim para que os pistões fiquem deslocados do centro dos cilindros para menor atrito da movimentação dos pistões.

Outro segredo da performance deste propulsor está no sistema avançado de gerenciamento eletrônico, que potencializa os resultados tanto na configuração manual como na automática, ambas de seis marchas.

General Motors

A General Motors é uma empresa global comprometida em oferecer maneiras mais seguras, melhores e mais sustentáveis para as pessoas se locomoverem. A General Motors, suas subsidiárias e suas joint ventures vendem veículos sob as marcas Chevrolet, Buick, GMC, Cadillac, Holden, Baojun e Wuling. Mais informações sobre a empresa e suas subsidiárias, incluindo a OnStar, líder global em serviços de segurança e proteção de veículos, podem ser encontradas em http://www.gm.com.

General Motors

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
General Motors
120px General Motors %282021%29.svg Fábrica da GM em Joinville

Logo
Renaissance Center, Detroit, Michigan from S 2014-12-07.jpg
Renaissance Center, em Detroit, a sede mundial da GM.

Razão social General Motors Company
Empresa de capital aberto
Cotação NYSEGM
Atividade Automotivo
Gênero Incorporation
Fundação 16 de setembro de 1908 (113 anos)
Fundador(es) William C. Durant
Charles Stewart Mott
Frederic L. Smith
Sede Detroit20px Flag of Michigan.svg Fábrica da GM em Joinville Michigan22px Flag of the United States.svg Fábrica da GM em Joinville Estados Unidos
Área(s) servida(s) 23px Newworldmap.svg Fábrica da GM em Joinville Mundo (exceto Coreia do Norte, Cuba, Irã, Sudão e Síria)
Locais 396 instalações em seis continentes
Presidente Mark Reuss
Pessoas-chave Mary Barra (Presidente do conselho de administração e CEO)
Steven Kiefer (Presidente da GM para a região da America do Sul)
Empregados 216 000 (2015)
Produtos Automóveis
Peças de automóveis
Veículos comerciais
Divisões Buick
Chevrolet
Cadillac
GMC
Subsidiárias
Ativos Aumento US$ 194,52 bilhões (2015)
Lucro Aumento US$ 9,687 bilhões (2015)
LAJIR Aumento US$ 5,346 bilhões (2015)
Faturamento Baixa US$ 152,35 bilhões (2015)
Significado da sigla General
Motors
Website oficial www.gm.com

General Motors Corporation, também conhecida apenas pela sigla GM, é uma multinacional com sede em Detroit, nos Estados Unidos, cuja principal área de negócios é a produção de automóveis. A GM tem várias marcas no seu portfólio, entre as quais, as quatro marcas originais de automóveis da GM: BuickCadillacChevrolet, e Pontiac (extinta em 2010), além da GMC, que fabrica exclusivamente caminhões, grandes vans (pt-BR) ou carrinhas (pt-PT) e camionetes; e outras marcas, como: DaewooHolden (extinta em 2020), HummerOpel (vendida ao Grupo PSA e BNP Paribas),[1] Saturn (extinta junto com a Pontiac) e Vauxhall (vendida junto com a Opel).[2] É dona também, de 50,7% da GM Daewoo e de 34% da Wuling. É ainda parceira da Isuzu. Teve também participação na Lada da Rússia.

A marca Saab foi vendida para a Koenigsegg, mas a GM continuará fornecendo motores e plataformas para a Saab. Não há uma definição de tempo que isso continuará a acontecer, mas será de, no mínimo, cinco anos. A concretização da operação de venda deve acontecer em setembro de 2009 e será parcialmente financiada por um empréstimo do Banco Europeu de Investimento e coassinado pelo governo sueco.[3]

Toda sua estrutura operacional e industrial faz da GM a maior montadora de automóveis do mundo, empregando 252 mil trabalhadores.[4] A empresa foi líder de vendas por 77 anos consecutivos, de 1931 a 2007. Fabrica carros e caminhões em 34 países e comercializa em cerca de 140 países. Em 2008, 8,35 milhões unidades foram vendidas em todo o mundo, sob as suas diversas marcas.

No ranking de vendas de 2016, o grupo contabilizou, entre todas as suas marcas, 10 milhões de unidades vendidas a nível mundial, ficando em 3° lugar. Seus números foram superados apenas pela japonesa Toyota (10,18 milhões ) e pelo europeu Grupo Volkswagen (10,3 milhões).[5]

História

Origem

220px General Motors building 089833pv Fábrica da GM em Joinville

Sede da GM de 1923 até 1996.

A montadora de automóveis norte-americana foi fundada em 1908 sendo na altura a empresa proprietária da Buick. No ano seguinte a GM adquiriu as marcas Cadillac, Oldsmobile, Pontiac e a Chevrolet, totalizando mais de 30 empresas até 1930. Em 1923Alfred Sloan Jr assumiu a presidência do grupo, na altura responsável pela comercialização de 10% no mercado americano. Quando saiu, em 1956 a GM era já a maior montadora de automóveis do mundo.

Na década de 1920, a GM comprou a empresa de carros Yellow Coach, que produzia os populares carros amarelos americanos. Nos anos 1920 e 1930, a GM expandiu-se para a Europa, principalmente para a Alemanha, o que lhe valeu acusações, após o final da Segunda Guerra Mundial, de ter fabricado caminhões que contribuíram para a formação da frota militar nazista. No entanto, os negócios acabaram quando os EUA entraram na guerra contra a Alemanha, em 1941. Durante a guerra, a GM converteu quase todas as suas fábricas para a construção de material bélico. Após o fim da guerra, a produção de automóveis da empresa cresceu muito, com uma série de novos modelos das diferentes marcas do grupo, melhorados por várias inovações técnicas e de design.

No início da década de 1970, a GM lançou um ambicioso programa tendo em vista a remodelação de todos os seus produtos para que se tornassem mais económicos. Assim, os carros passaram a ser mais leves e menores, sem prejuízo do conforto. Em 1984, a GM associou-se à Toyota para produzir um pequeno carro, o Chevrolet Nova, que foi lançado no mercado em 1985. Foi uma aliança até então inédita entre uma firma americana e outra japonesa. Em 1996, a GM foi a primeira montadora a produzir um automóvel elétrico em escala, o EV1. Em 30 de junho de 2006, a General Motors, anunciou que deseja fazer uma aliança com a RenaultNissan.

Posteriormente a GM entrou em uma fase bastante difícil, em termos mundiais, tendo tido seguidos anos de prejuízo e várias fábricas fechadas devido à produção de veículos que consomem muito combustível, incompatíveis com a forte alta do preço do petróleo. A situação foi agravada após o advento da crise mundial de 2008.

Atualmente a montadora tem redirecionado parte de seus recursos para investir em plataformas de transporte compartilhadas, como o carsharing, através da empresa Maven.[6]

Crise de 2008

crise econômica de 2008 piorou a já crítica situação da empresa, que teve que recorrer à ajuda governamental. A GM recebeu 13,4 bilhões de dólares no final de 2008 para resolver seu problema de liquidez. Assim como a Chrysler, obteve empréstimos do governo dos Estados Unidos, do Canadá e da província de Ontario[7] para evitar a possível falência, em razão da recessão do final dos anos 2000, da alta dos preços do petróleo e da própria crise do setor automobilístico de 2008-2009.

Em 20 de fevereiro de 2009, a divisão Saab da GM apresentou um pedido de concordata a um tribunal da Suécia, para se reorganizar financeiramente e evitar uma futura falência, depois de ter fracassado na tentativa de obter empréstimos do governo sueco.

Ainda no contexto de combate aos efeitos da crise financeira mundial, a General Motors anunciou o encerramento da marca Pontiac. O processo de descontinuação da marca deverá ser concluído até o fim de 2010. A General Motors ainda anunciou que até o fim de 2009, será definido o destino de outras marcas do grupo, como Hummer, Saab e Saturn, que devem ser vendidas ou descontinuadas, tal como a Pontiac.[8]

Rumores de que os próprios executivos da empresa já consideravam utilizar-se da proteção da lei de falências norte-americana (rumores esses posteriormente desmentidos)[9] levaram as ações da empresa a serem negociadas em 6 de março de 2009 nos valores mais baixos desde 1933, chegando a cair 94% no período de 12 meses.

Em 24 de abril de 2009, a GM recebeu 15,4 bilhões de dólares em empréstimos do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, dentro do programa TARP (Troubled Assets Relief Program). O TARP é o principal componente do pacote de medidas do governo americano para combate à crise financeira de 2008-2009, e se destina a promover a compra de ativos e ações de instituições financeiras, visando fortalecer o setor. A GMAC (General Motors Acceptance Corporation), organização que presta serviços financeiros às várias divisões da GM no mundo e é parcialmente (49%) controlada pela GM, também recebeu empréstimos de cinco bilhões de dólares dentro do mesmo programa, ao mesmo tempo que a GM recebeu um bilhão de dólares adicional para aumentar sua participação na GMAC.[10] A General Motors do Canadá, 100% controlada pela GM,[11] recebeu a garantia de um empréstimo de C$3 bilhões dos governos do Canadá e da província de Ontario.[7]

Ainda no mês de abril, em meio aos problemas financeiros e esforços de reestruturação, a GM anunciou que iria extinguir a marca Pontiac até o fim de 2010, e concentrar-se em quatro marcas na América do Norte: Chevrolet, Cadillac, Buick e GMC. Anunciou também que a venda das marcas Hummer, da Saab e da Saturn aconteceria até o fim de 2009.[12] Alguns anos antes, a GM já havia eliminado a Oldsmobile pelas mesmas razões.

Em 1º de junho de 2009, a General Motors encaminhou pedido de proteção contra falência, baseado no Capítulo XI – Título XI do Código de Falências dos Estados Unidos – que permite a reorganização de empresas. Na mesma ocasião, apresentou um plano de ressurgir como uma organização menor e menos endividada em poucos meses.[13]

Segundo o plano de reestruturação apresentado à Corte Federal em Manhattan, Nova York, a organização será dívida em duas: a “velha GM”, que ficará com as dívidas e os activos de risco; e a “nova GM”, muito menor que a actual, mas também muito menos endividada. O Tesouro norte-americano deverá realizar uma nova injecção de capitais públicos, estimada em 30 mil milhões (no Brasil, “bilhões”) de dólares.[14]

No pedido apresentado à Corte, foi especificado o valor dos ativos (US$ 82,29 bilhões) e das dívidas (US$ 172,81 bilhões) da organização.[15] Em termos de valor total dos ativos envolvidos, a quebra da GM seria a quarta maior da história dos Estados Unidos, depois dos casos Lehman Brothers, Washington Mutual (ambos em 2008) e WorldCom Inc. (em 2006), e a maior da indústria americana.[15]

Lusofonia

150px Opel Logo 2017 Fábrica da GM em Joinville 150px Chevrolet logo Fábrica da GM em Joinville
A General Motors operou em Portugal sob a marca “Opel”. No Brasil, opera sob a marca “Chevrolet”.

Brasil

17px Magnifying glass 01.svg Fábrica da GM em JoinvilleVer artigo principal: General Motors do Brasil

A General Motors do Brasil (GMB) é a maior subsidiária da General Motors na América do Sul e a segunda maior operação fora dos Estados Unidos.[16] A empresa foi fundada em 1925 e operada em casas alugadas, localizado no bairro histórico de Ipiranga, em São Paulo.[17] Em 2015, completou 90 anos de operação no Brasil.

Sempre utilizando a marca Chevrolet no país, a General Motors foi líder de vendas no mercado brasileiro entre 2015 e 2018. O modelo Chevrolet Onix, fabricado em Gravataí (RS), ainda é o carro mais vendido no País, até janeiro de 2019.[18] Apesar disso, Carlos Zarlenga, presidente da General Motors Mercosul, afirmou que a GM teve prejuízo significativo entre 2016 a 2018.[19]

Em 18 de janeiro de 2019, Zarlenga comunicou que “investimentos e o futuro” do grupo na região dependem da volta da lucratividade das operações ainda este ano. O aviso foi entendido pelos trabalhadores como uma ameaça de deixar o Brasil.[19]

Portugal

Em Portugal, foi instalada uma fábrica Opel do grupo General Motors em 1963, perto da Azambuja e aí ficou a laborar até 20 de dezembro de 2006, altura em que a produção dos automóveis do modelo Opel Combo foram deslocalizados para Saragoça. Esse encerramento provocou 1,1 mil desempregados diretos e 400 indiretos.[20][21]

Ver também

Referências

  1. ↑ Ir para:a b «GM vende Opel a Peugeot e BNP Paribas por 2,2 bilhões de euros»Exame. Abril. 6 de março de 2017. Consultado em 6 de março de 2017
  2.  «Grupo francês PSA conclui a compra da Opel/Vauxhall»revistaautoesporte.globo.com. Consultado em 15 de junho de 2019
  3.  Notícias Automotivas (16 de junho de 2009). «GM faz o anúncio oficial de que a Saab será mesmo vendida para a Koenigsegg». Noticiasautomotivas.com.br. Consultado em 21 de julho de 2009
  4.  «GM News» (em inglês). Image.emerald.gm.com. Arquivado do original em 23 de abril de 2009
  5.  Volkswagen supera Toyota e é líder mundial de vendas em 2016 Portal G1 – Auto Esporte – acessado em 18 de agosto de 2017
  6.  «Carsharing – Turbi»Turbi. 3 de maio de 2017
  7. ↑ Ir para:a b Industry Canada (30 de março de 2009). «The Governments of Canada and Ontario Reject Automakers’ Restructuring Plans». Ic.gc.ca
  8.  Agência Estado, 6 de março de 2009.Ações da GM atingem menor nível desde 1933
  9.  «GM reitera busca pela reestruturação, mas sem a proteção da lei de falência»UOL Economia. 6 de março de 2009
  10.  USA Today (24 de abril de 2009). «GM gets another $2B in taxpayer loans, expected to scrap Pontiac» (em inglês). Usatoday.com. Consultado em 6 de março de 2017
  11.  Deborah C. Sawyer, The Canadian Encyclopedia. «General Motors of Canada Limited» (em inglês). Canadianencyclopedia.ca
  12.  «GM Accelerates its Reinvention as a Leaner, More Viable Company»General Motors (em inglês). Image.emerald.gm.com. 27 de abril de 2009. Consultado em 6 de março de 2017
  13.  12:11 p.m. ET. «Obama: GM bankruptcy viable, achievable – Autos- msnbc.com» (em inglês). MSNBC. Consultado em 1 de junho de 2009
  14.  «GM já apresentou pedido de falência»Público (jornal). 1 de junho de 2009
  15. ↑ Ir para:a b Sandler, Linda; Chris Scinta, Bob Van Voris & Jeff Green (1 de junho de 2009). «GM Files Bankruptcy to Spin Off More Competitive Firm (Update4)»Bloomberg.com. Bloomberg LP. Consultado em 1 de junho de 2009
  16.  «GM troca pela 3ª vez presidente da subsidiária brasileira»O Globo. 19 de dezembro de 2012
  17.  «GM Media Online». Media.gm.com. Arquivado do original em 18 de abril de 2009 |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  18.  «Chevrolet Onix é o carro zero mais vendido pelo 3º ano seguido»Auto esporte. Brasil: Globo. 19 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2019
  19. ↑ Ir para:a b «GM ameaça sair do Brasil se não voltar ao lucro»Época Negócios. Brasil: Estadão Conteúdo e Reuters. 19 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2019
  20.  Leonor Matias (20 de dezembro de 2006). «Opel da Azambuja fecha amanhã ao fim de 43 anos». Diário de Notícias. Consultado em 26 de dezembro de 2011
  21.  «Opel da Azanbuja fecha»SIC Notícias. Videos.sapo.pt. 20 de dezembro de 2006. Consultado em 26 de dezembro de 2011

Ligações externas

Commons possui imagens e outros ficheiros sobre General Motors

GMC

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
GMC
200px GMC logo Fábrica da GM em Joinville
Divisão
Atividade Automobilística
Fundação 22 de julho de 1911 (110 anos)
Fundador(es) Willian C. Durant
Sede Detroit,Estados Unidos
Área(s) servida(s) América do Norte e Oriente Médio (exceto Irã e Síria)
Proprietário(s) General Motors
Produtos Caminhonete
SUV
Veículos comerciais
Caminhões
Ônibus
Antecessora(s) Rapid Motor Vehicle Company
Reliance Motor Car Company
Website oficial https://www.gmc.com/

GMC (siglas de General Motors Company ou Corporation) é a divisão de caminhonetes e caminhões da General Motors. Embora muitos veículos GMC e Chevrolet sejam mecanicamente idênticos, a GMC se posiciona como uma oferta premium para a marca Chevrolet, com veículos de luxo como a série Denali e a série elétrica Hummer EV fora de estrada. Na América do Norte, os veículos GMC quase sempre são vendidos junto com os veículos Buick em concessionárias conjuntas, permitindo que a mesma concessionária comercialize carros e caminhonetes de luxo.

História

250px GMCTrucks1919 Fábrica da GM em Joinville

caminhão GMC em um anuncio de 1919

250px Community Transit 759 %28GM RTS%29 Fábrica da GM em Joinville

RTS Bus

Rapid Motor Vehicle Company

Em 1901, Max Grabowski estabeleceu uma companhia chamada de “Rapid Motor Vehicle Company”, que desenvolveu alguns dos primeiros caminhões comerciais. Os caminhões utilizavam motores de um cilindro. Em 1909, a empresa foi comprada pelo General Motors para formar a base para a General Motors Truck Company, a partir do qual deu origem aos camiões GMC.

GMC Truck

Outra fabricante independente comprado pela GM nesse mesmo ano foi Reliance Motor Car Company. Rapid e Reliance foram fundidas em 1911, e em 1912 a marca é renomeada para “GMC Truck” apresentado na New York International Auto Show. Em torno de 22000 caminhões foram produzidos naquele ano, embora a contribuição da GMC para isso foi um mero total de 372 unidades.

Em 1916, um caminhão GMC atravessou o país a partir de Seattle para Nova York, em trinta dias, e em 1926, um caminhão de 2 toneladas GMC foi conduzido a partir de Nova York San Francisco em 5 dias e 30 minutos. Durante o Segunda Guerra Mundial, a GMC truck produziu 600000 veículos pesados para utilização pelo Exército dos Estados Unidos.

Em 1925, a GM comprou o controle da Yellow Coach Autocar, um fabricante de Chicago, Illinois, que foi fundada por John D. Hertz.

GMC Truck and Coach Division

Depois da aquisição da porção restante em 1943, a GMC truck é renomeado para GMC Truck and Coach Division, fabricando ônibus urbanos e interurbanos no Canadá e nos Estados Unidos até a década de 1980. GM enfrentando o aumento da concorrência nos finais dos anos 1970 e 1980 deixou de produzir ônibus. Em 1987, a GMC posteriormente vendeu os seus modelos de ônibus Transporte Manufacturing Corporation (também sob Motor Coach Industries no Canadá) e, mais tarde a NovaBus.

Em 2002, foi publicado o livro GMC: The First 100 Years, contando a historia completa da empresa.

Em 2009, a GMC encerrou a produção de caminhões comerciais de médio porte após mais de 100 anos, deixando esse segmento para a Chevrolet[1]

GMC vs Chevrolet

Embora os caminhões GMC e Chevrolet sejam praticamente idênticos, as suas diferenças têm variado ao longo dos anos. Tradicionalmente, a GM tem tido vários arremates a partir da Chevrolet (ou seja, grade, emblemas, etc), maior opções de motor, e geralmente um preço mais elevado.

Entre 1962 e 1972, a maior parte dos veículos GMC foram equipados com faróis quádruplos, enquanto os seus equivalentes Chevrolet foram equipados com faróis duplos.

Começando em 1973, a GM inicia a introdução da nova serie de caminhões “linha arredondada”, e por isso os caminhões Chevrolet e GMC se tornam ainda mais semelhantes, pois termina com a produção dos GMC com faróis quádruplos e define o padrão Chevrolet para os GMC por mais de trinta anos. Durante este período, os modelos irmãos das duas empresas (Silverado/SierraBlazer/JimmyTahoe/Yukon, etc) partilham tudo excepto guarnições e preço.

A GMC começou recentemente uma divergência entre o projeto em duas linhas com o modelo 2007 Silverados e Sierra, que têm ligeiras diferenças nas formas do seu corpo painéis e visão global.

Hoje na sua maior parte, GMC oferece os mesmos modelos disponíveis da marca Chevrolet. A Sprint, por exemplo, foi um Chevrolet El Camino que recebeu o emblema da GMC e a Sierra que é um Chevrolet Silverado com emblema da GMC nos Estados Unidos. GMC normalmente é vendido por concessionários ou em parceria com a Pontiac e Buick, tipicamente em volumes menores do que os equivalentes Chevrolet. os veículos GMC são posicionados como a gama professional dos veículos equivalentes das versões Chevrolet. caminhões, carrinhas e SUV oferecem mais opções e recursos padrão do que os Chevrolet, ao mesmo tempo que muitas vezes os Chevrolet é oferecido como um carro de nível de entrada.

No Canadá, é vendido pelas concessionárias GMC-Pontiac Buick, geralmente em volumes equivalentes ou superiores aos equivalentes da Chevrolet, em 2007 é lançado o GMC Acádia, um crossover SUV, que é o primeiro da empresa com chassis monobloco. O modelo equivalente da Saturno é o Outlook.

GMC Brasil

A GMC comercializou seus produtos no Brasil entre 1997 e 2001, chegando a possuir 6% do mercado de veículos brutos, mas descontinuou suas linhas devido as mudanças econômicas.[2]

Linha de veículos GMC atualmente

GMC atualmente fabrica SUVscamionetes, vans, veículos comerciais leves, caminhões pequenos. abandonando a fabricação de caminhões de bombeiros, ambulâncias, caminhões grandes e médios, veículos militares, motorhomes e ônibus.[3]

Modelos de passeio

Modelos comerciais

Ônibus

  • GMC PDA-3703 – Super Cruiser
  • GMC PD-3751
  • GMC PD-4101 (Chegou ao Brasil importados pela Viação Cometa em 1961)
  • GMC PD-4103 (Chegou ao Brasil importados pela Viação Cometa em 1961)
  • GMC PD-4104 (Chegou ao Brasil importados pela Viação Cometa em 1953)
  • GMC PD-4105 – Scenic Cruiser
  • GMC PD-4106 – Silver JET
  • GMC PD-4107 – Scenic JET 71″
  • GMC PD-4108 – Scenic JET 72″
  • GMC PD-4905 (P8M4905A) – Scenic JET 71″ Largo

Referências

  1.  «No Plans For GMC Version Of 2019 Silverado 4500HD, 5500HD Medium-Duty Trucks»GM Authority. Consultado em 23 de julho de 2021
  2.  Conheça dez montadoras que tiveram de pegar o caminho de volta para casa – GMC Caderno automóveis da Gazeta do Povo
  3.  «GMC Lineup: Trucks, SUVs, Crossovers and Vans»GMC (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2021

Bahia Motor estamos todos os sábados na TVE para toda Bahia às 15:30h.

Vídeo Original: https://www.youtube.com/watch?v=GZlRc5qHffg&t=2s

 

 

https://lookedtwonoticia.com.br/wp-content/uploads/2021/09/45-PNG-Botao-INSCREVA-SE-do-Youtube.png https://lookedtwonoticia.com.br/wp-content/uploads/2021/09/2021-09-15-2.png   https://lookedtwonoticia.com.br/wp-content/uploads/2021/09/Sem-Titulo-5.jpg

You May Also Like